Teixeira dos Santos diz que é difícil haver aumento de salários no sector privado

Governo apresentou ontem as grandes linhas do Orçamento do Estado para 2011, prevendo poupanças de 5,1 mil milhões de euros, com dois terços a vir do lado da despesa.

Entre as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro e ministro das Finanças destacam-se um corte de 5% dos gastos do Estado com salários dos funcionários públicos – reduções entre 3,5% e 10% para salários acima de 1.500 euros –, congelamento das pensões e uma subida da taxa máxima do IVA de 21% para 23%, que em Julho passado já aumentara um ponto percentual.

Entre as 19 medidas anunciadas, constam ainda o congelamento do investimento público, cortes no abono de família e outras prestações sociais e nos benefícios e deduções fiscais. Algumas destas iniciativas serão aplicadas já neste ano.

O objectivo é reduzir o défice orçamental para 4,6% do PIB no final de 2011, e garantir que neste ano o indicador ficará nos 7,3% prometidos a Bruxelas, depois do recorde de 9,3% atingido em 2009.

Fonte: Jornal de Negócios